Espécies nativas de mamíferos silvestres são vistas em parques do Rio

111
Publicidade


Logo Agência Brasil

Pesquisa feita por professores do curso de Ciências Biológicas da Universidade Veiga de Almeida (UVA) constatou a presença de espécies nativas de mamíferos silvestres em circulação entre os parques naturais Chico Mendes e Marapendi, usando o Corredor Verde do Canal das Tachas, ligação criada entre as duas áreas, no Recreio dos Bandeirantes, zona oeste do Rio.

Anteriormente, havia apenas suposições, por análises históricas, sobre a existência dos animais no local. Pela primeira vez, as imagens registraram a presença de pacas (Cuniculus paca) nos parques naturais urbanos.

Notícias relacionadas:

O monitoramento durou um ano e conseguiu flagrar, por meio de armadilhas fotográficas, no período de 2020 e 2021, outros animais como tatus-galinha (Dasypus novemcinctus), capivaras (Hydrochoerus hydrochaeris), gambás (Didelphis aurita), mãos-peladas (Procyon cancrivorus), no Parque Chico Mendes, onde se concentrou a pesquisa.

Publicidade

A professora da graduação de biologia e do mestrado profissional em ciências do meio ambiente da universidade, Cecilia Bueno, pesquisadora e coautora do levantamento, destacou a importância dos corredores ecológicos para garantir que as espécies continuem em seu habitat, mesmo em áreas urbanas e, dessa forma, reduzam a ameaça de extinção.

A paca, por exemplo, corre sério de risco de extinção, devido à caça para aproveitamento de sua carne. O mesmo ocorre em relação ao tatu-galinha.

Conexão

Cecilia trabalha há muito tempo com a biodiversidade do Rio de Janeiro e tinha muita vontade de entender a fauna residual dos parques urbanos. 

 “O Corredor das Tachas, associado ao plantio, foi feito há uma década, aproximadamente”, disse à Agência Brasil a professora da UVA. Ela tinha curiosidade de saber se além dos saguis de tufo branco e tufo preto (callithrix), que conseguiram sair da Lagoa de Marapendi e passar, pela conexão, para o Parque Chico Mendes, e se espécies terrestres, não arborícolas, estavam fazendo o mesmo.

As armadilhas fotográficas foram colocadas nos dois parques e, também, na conexão Corredor das Taxas.

“Nste trabalho, focamos em Chico Mendes, que era o que tinha menos dados. E, surpreendentemente, observamos que as espécies também estavam passando pelo corredor. Por um lado, eu fico feliz, porque o Corredor das Tachas amplia a área de circulação das espécies entre os dois parques. Por outro lado, é mais um canal para a invasão antrópica (ocupação de zonas terrestres pelo homem). Infelizmente, as pessoas também circulam.”

Cecilia lamentou que no parque Chico Mendes, a pressão antrópica é contínua e extremamente forte. No local, existe ocupação quase dentro do parque, sinalizou. A professora defendeu uma maior fiscalização no parque e, também, uma ampliação das áreas protegidas por meio da desocupação social equilibrada e sensata, com a transferência dos humanos que invadiram os parques para outros locais.

“Na verdade, a ideia é fazer com que toda a área do parque fique essencialmente para a fauna, sem a presença humana”, explicou.

Remoção

Governos municipal e estadual devem proceder à remoção das comunidades carentes que habitam os parques, porque não há opção de um local melhor, e a água da lagoa é poluída.

Com a ampliação da área protegida dos parques, deve ser feita também a revegetação da restinga. Com isso, a profesora Cecília acredita que se conseguiria dar, de fato, “esperança para a fauna residual persistir, pelo menos, a médio e longo prazo”. Outra coisa importante para que isso se efetive é a manutenção correta das áreas de interligação naturais, além da criação de mais áreas que sejam interligadas de forma correta.

A professora afirmou que estudos como esse são importantes porque comprovam que, mesmo em um ambiente urbanizado, os animais têm capacidade de persistir quando são criadas condições favoráveis.

“Eu acho que precisa, realmente, melhorar o ordenamento desses parques para a via pública, porque ali temos duas avenidas de alto tráfego, onde circulam muitos carros: a Avenida das Américas e a Avenida Lucio Costa. A gente precisa melhorar a segurança para essas espécies circularem, para não morrerem atropeladas. Elas não sabem que existe um limite entre elas e a pista e, eventualmente são expostas a risco.”

A pesquisa deverá ser apresentada à administração do Parque Natural Municipal Chico Mendes, cuja administração está a cargo da Fundação Riozoo e da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, ambos ligados à prefeitura do Rio.

MOBILIDADE RIO

Siga o Mobilidade Rio no Twitter e fique informado sobre a mobilidade urbana do Rio de Janeiro e Região Metropolitana.

Publicidade

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui