CPI dos Trens: Deputados fazem vistoria técnica no Centro de Controle Operacional da SuperVia

497
CCO CPI
Foto: Divulgação/Alerj

Os deputados integrantes da CPI dos Trens, da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), estiveram nesta segunda-feira (06/06) no Centro de Controle Operacional (CCO) da SuperVia, onde ficam localizadas as câmeras com as imagens das saídas e chegadas dos trens e dos ramais em funcionamento no sistema.

Os pontos mais criticados pelos parlamentares foram a falta de segurança e investimento na via. O deputado Luiz Paulo, por exemplo, propôs a elaboração de um Plano Emergencial de Investimento para recuperação do transporte ferroviário fluminense.

“Hoje, fizemos vários questionamentos à SuperVia, mas ninguém soube responder as demandas. Vamos enviar tudo por escrito. Falta segurança e investimento nesse sistema de transporte, que tem problemas também como roubo de cabos, alguns trechos da linha férrea dominados pelo narcotráfico, dormentes soltos, e falta de conservação preventiva. É preciso um plano de investimentos emergencial para sair dessa situação”, afirmou Luiz Paulo.

A falta de segurança na via, sobretudo na questão do roubo de cabos, foi questionada pelos deputados. O perímetro entre as estações de São Cristóvão, Mangueira e São Francisco Xavier concentra 80% dos casos desse tipo de furto na linha férrea.

“É necessário que o governo do estado tenha a responsabilidade de agir junto aos órgãos competentes para implementar um cinturão de segurança para que se evite o furto de cabos, e assim os trens poderem voltar a circular normalmente”, comentou a deputada Lucinha, presidente da CPI.

Presente na vistoria, o deputado Waldeck Carneiro, relator da CPI, perguntou se a SuperVia tem algum plano de aterramento dos cabos, ou de troca do cobre por um material de baixo valor de mercado para coibir os roubos. Contudo, os representantes da SuperVia não souberam responder. A deputada Enfermeira Rejane também participou da reunião.

Expresso Santa Cruz

A volta do expresso de Santa Cruz, suspenso pelo decreto de Calamidade Pública devido à pandemia, em 2020, foi outro tema muito cobrado pelos integrantes da CPI – o prazo do decreto termina no próximo dia 30/06. Outra questão levantada refere-se à grande quantidade de lixo na via férrea, sobretudo na estação de Belford Roxo. A empresa respondeu que as operações de limpeza são constantes, mas mesmo com o apoio da polícia elas não têm sido suficientes porque o despejo de lixo é intenso.

“A gente não tem o objetivo de mascarar nada. A ideia é realmente aproveitar a oportunidade da CPI para melhorar o que é preciso e poder contribuir”, disse Eduardo Santiago, gerente executivo da SuperVia do setor Jurídico/Regulatório.

Mobilidade Rio

Siga o Mobilidade Rio no Twitter e fique informado sobre a mobilidade urbana do Rio de Janeiro e Região Metropolitana.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui